© Paula Jiménez

Samuel Martins Coelho

Direção Musical / Composição / Multi-instrumentista 

Samuel Martins Coelho (1980) tem feito um percurso de descoberta e constante reinvenção da sua linguagem musical. Com raízes na música clássica, tem vindo a desenvolver uma linguagem muito própria, utilizando diversas fontes sonoras. O seu trabalho atravessa vários géneros e universos musicais, desde a música clássica à música conceptual, experimental e à improvisação. A sua atividade artística desenvolve-se em vários projetos, tais como Samuel Martins Coelho, EL RUPE (trio de jazz fusion), Pata Física (música eletrónica e spoken word), Estranhofone (esculturas sonoras), colaborando também nos projetos, Ondamarela, Space Ensemble, MODS Colective, Escola do Rock Paredes de Coura, Gnomon, Hot Air Baloon, NACO, Miguel Ramos e Atic, tendo diversos discos editados.

Nos últimos anos tem colaborado como diretor musical, compositor e instrumentista com companhias de teatro como o Teatro Experimental do Porto, Máquina Agradável, Teatro Bruto, Comédias do Minho e Teatro Oficina. Desenvolve atividades com comunidades, e lidera intervenções musicais criativas, dirigidas a crianças e ao público em geral, cooperando com vários protagonistas das áreas da dança, do teatro e da performance. Em 2017 foi artista residente do AiR Programme, em Malta (Gozo), no âmbito do programa da Fondazzjoni Kreattivitá e Valletta 2018 (Capital Europeia da Cultura).

Samuel Martins Coelho estudou violino na Escola Profissional Artística do Vale do Ave e na Academia Nacional Superior de Orquestra (Lisboa). Participou no II Curso de Formação de Animadores Musicais do Serviço Educativo da Casa da Música, tendo colaborado como facilitador nos cursos posteriores. Também na Casa da Música realizou workshops de Soundpainting, Sons do Dia (Marc Ducret), General Skills in the Class Room (Sam Mason, Tim Steiner) e o seminário de Gamelão (Andy Canning).